segunda-feira, 28 de novembro de 2011


Estudando o Arqueômetro 
Capítulo V 
As regências planetárias e os quatro elementos.


A Coroa Planetária e Zodiacal da Palavra, no Arqueômetro, tem muitas particularidades e  diferentes maneiras de manifestar a mesma coisa, isso  nos ajuda a compreender como funciona este maravilhoso aparelho, uma delas são as regências planetárias sobre os signos, seu movimento no céu do zodíacos e as relações com os quatros elementos.
Vejamos primeiramente como ocorrem as regências dos planetas  sobre os signos na Astrologia Tradicional, preste bastante atenção pois trata-se de detalhes do Arqueômetro em movimento, por isso aproveite mais esta oportunidade de ver por um foco diferenciado as mesmas representações e como interagem.




O planisfério do zodíaco apresenta quatro triângulos equiláteros entrecruzados, sendo que, cada um representa um elemento da natureza relacionado nos seus vértices à um signo, são doze signos e quatro elementos, divididos teremos três signos por elemento da natureza, representando o plano mental, emocional e físico. 
Veja  todos entrecruzados, analise com calma observe que existe uma harmonia e uma lógica profunda nestes entrelaçamentos.


Vejamos a seguir triângulo a triângulo,  vamos evidenciar cada elemento no círculo astrológico para facilitar seus estudos, isolando um a um, assim a exposição se tornará mais didática. Este assunto não é profundol, mas temos que iniciar essa jornada, pois teremos muitos desafios pela frente.


Triângulo da Terra
A energia Telúrica


Iniciando nossos estudos pelo triângulo da Terra, pode-se dizer que é o triângulo que Saint Yves d´Alveydre revelou mais detalhes, pois estabeleceu ligações importantes. Fez extensas considerações sobre as cores, sons, números e formas deste triângulo. 
Tem seu vértice apontando para o Norte ou para o Zênite, Saturno, que rege Capricórnio, continuando, no sentido horário, temos Mercúrio que rege Virgem, finanlizando em Vênus que rege Touro. Todos são elementos de coesão, suas cores, letras, sons e números respondem a essa tendência, através desta representação pode-se encontrar diversas revelações de nomes sagrados utilizando as letras dos planetas e signos, como o nome de Jesus, YSHO,  dentre outros como: OSHY, VYSHiNU e SHYVa,  aprofundando encontram-se muitas outras revelações. É importante lembrar que este oráculo foi a provável base da formação destas revelações sagradas, extraídas através na força de tantra, mantra e yantra.  


Triângulo da Água
A energia Hídrica



Da unidade das estruturas hídricas nasce a vida planetária, expressão divina do feminino, princípio do nascimento, as águas da purificação, a fluência, a renovação e a fonte de toda vida. Das letras dos signos e astros regentes deste elemento extraem-se muitos nomes importantes como: MaRYaH, BHRaMA, BHRaMaN. Este triângulo entrecruzado com o trinângulo da terra forma o principal símbolo da vida no planeta, inclusive faz parte das primeiras considerações,do livro o Arqueômetro, com uma imensa dica de que é a "Chave de  todos as ciências". Isso demonstra claramente que este entrecruzamento, através do triângulo de Jesus e Maria, tem um poder de imenso lastro energético planetário. 
Os planetas regentes e os signos deste elemento principiam na Lua que rege Cãncer, a seguir em Júpiter que rege Peixes, finanlizando em Escorpião regido por Marte.
Triângulo do Fogo
A energia Ígnia
Está relacionado às forças de transformação, suas chamas atuam em diversos níveis vibratórios, possibilitando a purificação e o recomeço, é o fogo da glória e da salvação. Todas estas forças estão relacionadas às energias crísticas que principiam em Leão regido pelo Sol, logo a seguir em Áries regido por Marte, finalizando em Sagitário regido por Júpiter.  

Triãngulo do Ar
A energia Eólica

O elemento eólico, vulgarmente conhecido como ar, apresenta sutil e poderosa interferência, não menos intensa do que os outros elementos, representa a expansão e encontra-se regido por Vênus em Libra, Saturno em Aquário, finalizando em Mercúrio que rege Gêmeos. Representa a purificação, os ares da renovação, atua na intermediação com planos etéricos.

Vamos ficando por aqui neste capítulo, aproveitem, ainda temos muito o que estudar, estamos somente iniciando, o material disposto nestes capítulos tratam somente do plano objetivo ou comparativo, temos muito o que aprofundar, pois os planos relativo e superlativo trazem novas visões, permitem a mente adentrar em outras esferas, mas por enquanto tudo que vem sendo exposto é de grande serventia para os neófitos ou mesmo para os que ainda não entenderam direito como funciona o Arqueômetro. 
No próximo capítulo iremos discorrer sobre a "sístole e a diástole" cósmica, a expansão das letras e cores, aproveitaremos para abrir algums assuntos sobre os números, principalmente como analisar a unidade, a dezena e a centena no Arqueômetro. 


Deixe seu comentário, vindo de boa vontade será sempre produtivo.

Luz e paz.









2 comentários:

  1. Orlando, se adotarmos as letras do Arqueômetro como referência, e acredito que não tem como ser diferente, deve-se entender que as outras letras geradas a partir dele ou de outro alfabeto posterior serão necessariamente corruptelas do mesmo. A idéia é saber diferenciar a “escrita” definida no Arqueômetro e a “escrita” cursiva, visto que esta costuma ser bastante diferente da sua equivalente.
    Acredito que esse é um dos motivos, entre outros associados à degeneração, que Saint – Yves delineia a formação de cada letra após a apresentação da sua imagem.
    Ir:. veja se entendi, a formação é bem simples, não foi inventada, é só seguir a lógica da formação das cores que existe há tempos, ou seja, a cor branca representa as letras arquétipos (A, Th e S) - Deus, as cores primárias amarelo, azul e vermelho representam as letras primárias (Sh, Ts e G) - Sol, por seguinte as cores secundárias verde, lilás e alaranjado representam as letras secundárias (C, B e D) - Lua, logo a formação das letras no aspecto planetário é determinada pela proporção ou intercruzamentos dessas cores em maior ou menor quantidade. Ademais, após a formação de cada letra planetária pela autológica da formação das cores, fica fácil entender o movimento de translação de cada uma em relação ao centro do Arqueômetro.
    Essa lógica vai se desdobrar ou repetir para as letras dos signos, as três letras primárias vão arranjar o triângulo da terra com vértice voltado para cima representado simbolicamente por Jesus, pelo Homem, por Adão entre outros, por sua vez, a três letras secundárias vão arranjar o triângulo da água com vértice voltado para baixo representado simbolicamente por Maria, pela Mulher, por Eva entre outros.
    Ressalto que o triângulo da água como suas letras foram constituídas pelas letras primárias do triângulo da terra, ou seja, o Homem dando origem a Mulher ou como foi dito na Bíblia em Gênesis 2:22: - “E a costela que o SENHOR Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe”.
    Na Biologia podemos inferir a continuidade dessa idéia nos machos que tem dois cromossomas sexuais de tipos diferentes (XY), sendo este o sistema de determinação do sexo existente nos humanos, claro, guardando as devidas proporções.

    Abraços!

    Ramirez

    ResponderExcluir
  2. Caro Ramirez, Perfeito seu comentário, é de pessoas com este tipo de visão que crescemos em entendimento. O conhecimento é uma arte de troca, a ideia está no ar, só não vê que não quer ou quem não pode. Muito bom, perfeita sua visão sobre o que de fato ocorre no alfabeto, e mais belo ainda foi a percepção e correlação do figurado na costela de Adão para o científico no XY. O Arqueômetro é de fato ciência, filosofia, religiosidade e arte. Envie um artigo para publicarmos. Luz e paz, com gente bem intencionada se faz a diferença.

    ResponderExcluir