quinta-feira, 7 de abril de 2016

                   
         Capítulo XII


O Arqueômetro e muitos outros assuntos, vamos viajar por esse universo de muitas questões a serem desvendadas. 

                 Estou aqui novamente depois de alguns anos, saudades. 
                   Quando iniciei estas edições pensava que o assunto interessaria poucas pessoas, no máximo as falassem línguas latinas, para minha surpresa ocorreram acessos de todo o mundo. Na realidade não imaginava que mais de 20% dos acessos seriam de outras partes do mundo, foram muitos países, pena que o Google registre somente os 10 maiores acessos, pois foram pessoas de muitas lugares, além dos registrados no quadro demonstrarei daqui a pouco, o blog teve acesso da Ucrânia,  Indonésia, Argentina, Canada, Japão, Arabia Saudita, Peru, Equador, Sérvia, Venezuela, França, Estônia, Luxemburgo, Costa Rica, enfim, muitos países, passam de 100, isso é muito bom, pois trata-se de um assunto profundo e digno de ser analisado e debatido.
                   Já que o blog tem muitos acessos devemos incrementar a comunicação, mesmo falando línguas diferentes podemos debater os assuntos e melhorarmos nosso entendimento, aprofundarmos essas questões. Por isso peo que  deixem suas opiniões sobre os temas, mesmo sendo de outros países, neste instante é importante todos saberem o que pensam os estudiosos do assunto e quais seriam suas dúvidas. Em 4 anosr anos foram mais de 29000 acessos, muito mais do que o esperado, foi fantástico e gratificante escrever para um público tão diferenciado. 
                   Sinto-me honrado de receber visitas tão especiais, o livro "Decifrando o Arqueômetro"  tem tido uma aceitação muito boa, estamos editando uma versão revisada, o site se tornou um instrumento muito bom para a disseminação do conteúdo relacionado aos conhecimentos dos antigos ancestrais.

            Observe um recorte do resumo do blog sobre os acessos:


                    Mudando o foco,  vamos para o que mais nos interessa: 

                 Depois de passar algum tempo sem publicar nenhum texto por aqui retorno de reflexões interessantes,  estive em contato com alguns temas pouco explorados no Arqueômetro e outros livros de Saint Yves d´Alveydre, como as "Missões", também estive revendo outros autores. Estes temas dizem respeito a alguns fatos que vivemos atualmente no mundo. 
                 Resolvi evidenciar a inteligência  de Saint Yves d´Alveydre e alguns pensadores sobre  questões atuais, tantos novos conceitos, suscita repensar a sociedade para entendê-los.
                     O tema é oportuno diante das idiossincrasias existentes na sociedade moderna, os movimentos dos governantes de todos os cantos  mundo tendem para aspectos cada vez mais degenerados, muita mentira, interesses pessoais e corrupção. 
                   No fim do século de XIX e início do XX, Saint Yves d´Álveydre já alertava, nos seus livros das "Missões", sobre as degenerações das instituições na época. Chamava a atenção para a democracia como sistema político manipulado, principalmente o que Fabre D´Olivet chamava de emporiocracia e suas degenerações.
                     Ainda que pareça se tratar da forma mais equilibrada de governo, a democracia traz muitas questões, principalmente no sistema capitalista,   pois os poderosos manipulam as massas. Este sistema tem à  frente uma imensa intersecção de interesses escusos e corporativos, quando deveriam ser claros e cooperativos. Muitos fatos impedem  que se exerça o desenvolvimento humano de fato. Além disso, a mídia, vencida pelas imposições de uma minoria dominante, se rende aos desígnios destas organizações corrompidas e infestadas de interesses que servem às pessoas que comandam as democracias com mãos de ferro. Para piorar a sociedade cientificista organizou com destreza suas ideias, consolidando um pensar árido e destituído do sagrado. 
                     Muitas vezes fico reflexivo sobre este momento da história,  é impossível não pensar o quanto essas mentes especularam, exploraram a boa fé alheia e tiram a oportunidade de vivermos em um mundo melhor.
                    Ainda me recordo, com extrema clareza, quando li pela primeira vez as lindas páginas que discorriam sobre a Sinarquia, da oportunidade de folear os exemplares  genuinamente franceses, foram momentos ímpares, poder passar os olhos por escritos tão especiais, aurir daquele conhecimento de forma profunda, tatear suas folhas, sentir o aroma da sabedoria contido naqueles ensinamentos, suas folhas já envelhecidas exigiam  cuidados após um século de suas publicações, mas conteúdo continuava forte e já trazia seus alertas.
                    O encanto e admiração pelo trabalho de Saint Yves d´Alveydre e outros pensadores deste período foi imediato, aquelas primeiras palavras versavam sobre uma forma de governo regida por sábios, a Sinarquia, como forma de crescimento e solução para contradições da modernidade daquela época, faziam nascer um chama de esperança e contraponto aos desatinos que assistimos nos dias de hoje, onde percebemos claramente que a ignorância e os interesses escusos predominam  sob a falsa proposta contida na democracia, onde predomina o discurso dos sofistas e mentirosos do mundo. Difícil afirmar isso, mas é a pura verdade, e creio, sinceramente, que as sociedades deveriam ser regidas por sábios. Como fazer isso?
                  Sem dúvida precisa-se trabalhar na busca do aprofundamento do conhecimento, o conhecimento nos libertará de muitas coisas, inclusive nos ensinará a conviver com a diversidade.

                     Estou retornando ao blog, mas discursar sobre muitos temas interessantes, aguardo as comunicações de vocês, cadastram-se no blog, vou criar uma comunidade no facebook.

                   Luz e paz, Orlando

2 comentários:

  1. Luminoso retorno. Gratidão e votos de luz e paz.

    ResponderExcluir
  2. Olá Orlando, por favor me coloque na fila dos primeiros a comprar a sua edição revisada. Há algum tempo atrás voce me falou que o faria e de fato está fazendo. Um forte abraço, Jorge Purgly

    ResponderExcluir